quinta-feira, 13 de abril de 2017

terça-feira, 11 de abril de 2017

ATENÇÃO

Imagem extraída de abraoolho - blogger

    A missa pascal da Comunidade da Santíssima Trindade - em Ilheus (BA) - será realizada no próximo domingo (16), 10h, na Barra. Informe-se mais através do telefone (73) 98184-2634 (Rev. Nildemar Santos).

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Agenda Pascal


 As comunidades anglicanas da Bahia organizaram uma agenda com o objetivo de festejar a Páscoa, rememorando os acontecimentos relacionados com a morte e ressurreição de Jesus Cristo. Confira: 


13/04
14/04
15/04
16/04
Missão Anglicana
Cristo Rei
Alagoinhas
--------
15h
Ofício da Paixão
18h30
Vigília Pascal
10h
Ressurreição
Paróquia Anglicana
do Bom Pastor
Salvador
19h30
Instituição da Eucaristia
Lava Pés 
Devoção pessoal
e em família 
18h
Vigília Pascal
Bênção do Fogo Novo 
9h45
Páscoa
Ponto Missionário Ressurreição do Senhor
Feira de Santana
--------

--------
--------
10h
Páscoa

  O Rev. Bruno Almeida alerta que o café da manhã do Domingo de Páscoa (16) será comunitário. “Todos e todas são convidados a contribuir”, diz o Pároco responsável pelo grupo Bom Pastor. No mesmo dia, leigos e o Rev. Adriano Portela realizam a inauguração da Capela do ponto missionário no bairro Olhos D’Água, em Feira de Santana. Na ocasião será servido um almoço comunitário. Nos dias 15 e 16 a comunidade, junto com o Rev. Glauber Santos, recebe a visita do Rev. Carlos Araújo que vai presidir as missas em Alagoinhas.
  Para outras informações, acesse o endereço eletrônico http://anglicanosnabahia.blogspot.com.br/ ou ligue (71) 98640-7953 (Rev. Janice Matos, Paróquia Anglicana Cristo O Salvador – Itaparica).

Texto: Osvaldo Junior, SRTE 3612 (BA)
Imagem: Ezequiel Brasil - WordPress.com

sábado, 8 de abril de 2017

Brasília sediará 34º Sínodo Geral e Confelíder

http://sn.ieab.org.br/

  "O Conselho Executivo do Sínodo (CEXEC), em reunião do dia 14 de março de 2017, anunciou a escolha do local para a realização do 34º Sínodo Geral e Confelíder 2018: Centro de Convenções Instituto Israel Pinheiro . À beira do Lago Paranoá, o Centro de Convenções Israel Pinheiro (CCIP) tem 300 mil m² cercados de área verde e tranquilidade, garantindo total condição para o trabalho e lazer. Ao lado da Ermida Dom Bosco, o CCIP fica localizado a apenas 20 minutos do aeroporto, a 15 minutos do centro de Brasília e à altura da QL 32 do Lago Sul – renomado bairro de Brasília (Home page).
  O Secretário Geral Reverendo Arthur Cavalcante e a Tesoureira Provincial Sra. Silvia Fernandes, entre os dias 21-23 de fevereiro, visitaram a Diocese Anglicana de Brasilia à convite do Bispo diocesano Dom Mauricio Andrade. Na ocasião tiveram uma reunião com um grupo aproximadamente de 15 pessoas que estarão apoiando integralmente aProvíncia do Brasil. Igualmente puderam conhecer o local do Sínodo e suas instalações.
  O principal encontro da Igreja Anglicana ocorrerá entre os dias..." CONTINUE LENDO

sexta-feira, 31 de março de 2017

Parabéns mulheres!

Foto cedida do arquivo pessoal

     Dentro da gíria jornalística, ela é freela, isto é, trabalha como freelancer em assessoria de imprensa (AI), escrevendo notas, reportagens e notícias para sindicatos classistas. Tudo que a repórter Michele França Coutinho Brito produz para essas instituições é desvinculado de registro trabalhista formal. Ela é convocada quando surge a necessidade de cada associação, seja para divulgar vitórias salariais, denunciar erros do patronato e outros acontecimentos que fazem parte da rotina sindical. Na última parte da série que felicita todas as mulheres, conversamos com essa paulista, casada, sem filhos, expertise em comunicação corporativa que resolveu opinar sobre casamento. Texto: Capinan Junior, SRTE 3612 (BA).  

     CJ: - Como você encara uma cantada? Falta de educação, elogio ou cultura do estupro? 

     MFCB: - Depende. Em uma balada, o pessoal se curtindo, se olhando, a paquera rola e para saber se o outro está retribuindo vem a cantada. Agora, quando a cantada é insistente ou totalmente fora do contexto, como no local de trabalho, infelizmente é o velho e bom machismo de achar que a mulher é um mero produto e que está sempre à disposição e a altura da mão, pega quando quer. Isso, infelizmente, perpassa pela cultura do estupro. É necessário ter bom senso e limite. Também é uma questão de educação.

     CJ: - O ritual do casamento envolve a organização de bastante coisas, como padrinhos, convidados, bolo, vestido e outros detalhes. Todo esse processo está fora de moda ou as pessoas transformaram seus valores?

     MFCB: - Para mim existem dois pontos. O primeiro é que sim, a maioria das pessoas deixou de dar importância a certos valores. O namoro serve para o casal se conhecer, dividir momentos, sonhos, aproximar gostos, fortalecer laços e perceber se querem passar a vida juntos. O próximo passo seria o noivado. Tempo de discutir responsabilidades, até porque o casamento é cercado delas, planejar a vida a dois e a oficialização do casamento. Algo que muitos acham ultrapassado, mas eu não. Como disse a Michele Pfeiffer no filme Íntimo e Pessoal "quero ter a garantia legal de que você vai acordar comigo todos os dias". Você pode dizer - mas um papel não é garantia disso - não. Mas acredite, ele muda a relação. Desperta uma sensação de maior responsabilidade. Essa oficialização ao lado de familiares e amigos próximos, realmente, traz uma sensação maravilhosa. É um momento mágico e marcante.

     CJ: - Em nossas cidades litorâneas é comum as pessoas usarem roupas de tecidos leves e que deixam os corpos expostos. Também temos uma produção de estilos musicais, a exemplo de funk e pagode, onde as letras abordam o sexo de maneira explícita. Você acha que esses traços culturais influenciam na educação de crianças e adolescentes?

     MFCB: - No caso das roupas em cidades litorâneas deveria ser algo natural em razão do clima, mas, somado aos outros fatores, sim, influenciam. Sabemos que o indivíduo é fruto do meio e, salvo as exceções, reproduzem o que veem e o que ouvem, portanto, serão influenciados por esses fatores. Um amigo meu de São Paulo me contou que esteve no Ceará recentemente, e um dia, próximo a casa de um parente em que ele estava hospedado, foi abordado por uma vizinha de uns nove, dez anos, se oferecendo para transar com ele. Ele disse que ela não tinha idade e que era apenas uma menina. Sabe o que ela respondeu? Que já fazia desde os 8 anos. Nessa hora elas descobrem que podem cobrar por isso, então cria-se a cultura da prostituição. É muito sério. Os comportamentos deteriorados geram outros e com isto entramos em um ciclo de desvios de caráter, educação, afeto e por aí vai.